Teclas de Acesso:
1
Conteúdo
2
Menu
3
Busca
4
Rodapé
Acessibilidade:
Notícias

Fake news e eleições 2018 são temas de debate no UBM

10.abr.2018

Na última sexta (6) aconteceu, no Salão Nobre Jayme Dantas do UBM – Centro Universitário de Barra Mansa –, o Canal Aberto. O evento é uma parceria dos cursos de Jornalismo e Direito da instituição. Com o objetivo de sempre abordar e debater assuntos atuais, “Fake news, liberdade de expressão e eleições 2018” foi o tema desta quinta edição.

Ao tratar de liberdade de expressão, a jornalista e diretora da Associação dos Jornalistas do Sul Fluminense (AJOSUL) Livia Nascimento enfatizou a importância desse assunto no contexto das fake News, de uma forma que não haja um discurso de ódio. "A gente vê muitos jornalistas se valendo do direito da liberdade de expressão para ferir o código de ética, por exemplo, aplicando discurso de ódio no que escreve, no que fala... Então, para mim, que a grande pegada é essa: falar da importância da liberdade de expressão com responsabilidade”, afirmou. 

O evento reuniu convidados com experiência nos assuntos discutidos. Segundo a jornalista do observatório da comunicação do Rio de Janeiro, Claudia Abreu, é importante que as pessoas entendam o que são, realmente, fake news. "Elas precisam ser combatidas, as pessoas que produzem e distribuem isso precisam ser criminalizadas. Mas é muito perigoso, então começamos a criar leis e normas, porque quem é que vai dizer o que pode ou não pode? Isso inclusive pode afetar na liberdade de expressão e afeta diretamente também a Constituição que proíbe a censura”, conta Claudia.

Foram levados em consideração pontos como a observação do atual cenário da sociedade e como a disseminação de notícias falsas pode influenciar em grandes acontecimentos, como as eleições que acontecerão este ano. “Quando eu me formei, o mundo era uma coisa, agora é outra completamente diferente, então, o meu ponto de vista mudou muito de lá pra cá. Poder falar esses assuntos com essa nova geração de jornalistas é gratificante e os dois lados ganham”, disse a diretora da AJOSUL. 
Voltar