Teclas de Acesso:
1
Conteúdo
2
Menu
3
Busca
4
Rodapé
Acessibilidade:
Notícias

“Não sei, sou de humanas”

19.jan.2017

Legenda: Alunos do curso de Jornalismo realizam atividades práticas voltadas a profissão.


Com a onda dos memes na internet, as grandes áreas do conhecimento não poderiam ficar de fora dos relatos dos estudantes, que são a grande maioria do público que utiliza dessa linguagem. Foi assim que se espalhou também a expressão “não sei, sou de humanas” para justificar a falta de argumentos para assuntos que envolvem cálculos, por exemplo.

Porém, o que muitas pessoas também não sabem é que a área das Ciências Humanas abrange muito mais que apenas teorias, conceitos e história.

Geralmente definidas como ciências “não exatas” e de grande margem subjetiva, as Ciências Humanas são também muito profundas, complexas e de grande importância na sociedade.

As profissões que tratam primariamente dos aspectos humanos apresentam um caráter múltiplo, pois ao mesmo tempo em que trazem características teóricas em ramos como a Linguística e a Filosofia, evidenciam características práticas por meio do Jornalismo, Comunicação Social e Direito, além de características subjetivas, como na Arte. “O administrador, por exemplo, necessita essencialmente da matemática básica, financeira e da matemática aplicada à Administração para construir e interpretar gráficos, trabalhar com dados estatísticos, fazer orçamentos ou análises de custo, comprar produtos, calcular juros e tarefas afins. Se ele não souber a matemática básica, ele não consegue fazer uma análise de balanço, controlar estoque, fazer pedidos ou estudar a produção. São conhecimentos de grande importância e necessidade para esse profissional que gerencia recursos organizacionais adequadamente para que eles atinjam o resultado desejado, que pode ser o objetivo, a criação de uma empresa, interferência, consultoria ou algo parecido”, aponta o professor e coordenador Marco Antônio Delgado, explicando que algumas áreas combinam elementos das ciências exatas, humanas e sociais.

Àqueles que se interessam pela área, ter o domínio da linguagem escrita e falada é fundamental, assim como uma segunda língua. É comum também que o estudante de algum campo dessas ciências tenha uma visão mais crítica e um raciocínio que considere análises subjetivas das situações, além do interesse pelo indivíduo, pela pesquisa e por aspectos sociais e culturais. “Boa parte dos ingressantes no curso de Jornalismo pensa em utilizar a profissão para transformar o mundo. E é verdade! A Comunicação hoje é entendida como um Direito Humano, essencial à sobrevivência da espécie. Mal utilizada, pode causar pânico, acirrar preconceitos e estimular a intolerância e a guerra. Mas usada com ética, responsabilidade e competência, contribui para a solidariedade, paz, sustentabilidade, democracia e justiça social. Essa é a missão do curso de Jornalismo do UBM: formar profissionais comprometidos com a transformação da sociedade”, destaca Alvaro Britto, coordenador do curso de Jornalismo do UBM – Centro Universitário de Barra Mansa. O curso é um dos sete oferecidos da área na instituição, que conta ainda com Administração, Ciências Contábeis, Direito, Música (bacharelado e licenciatura) e Pedagogia.
Voltar