;
Atendimento via chat
Atendimento via chat
Teclas de Acesso:
1
Conteúdo
2
Menu
3
Busca
4
Rodapé
Acessibilidade:
Notícias

UBM promove manhã de emoção e alegria a pacientes do Hospital São João Batista. A atividade encerra a Semana da Enfermagem

19.mai.2016

“Isso vale mais que qualquer remédio”, foi com essa frase que os alunos do curso de Enfermagem e de Música foram recepcionados pelos pacientes do Hospital São João Batista. Uma iniciativa do UBM - Centro Universitário de Barra Mansa - que traz essa atividade como encerramento da Semana de Enfermagem e homenageia também os profissionais técnicos em enfermagem que comemoram o seu dia amanhã.
 
Catorze enfermarias, maternidade, pediatria e centro de terapia intensiva, todo mundo contaminado por muita alegria e emoção. “Uma atividade realizada pelos alunos do 9º período do curso de Enfermagem e que faz parte de uma série de ações que foram feitas em salas de aula e no auditório, resolvemos incluir uma atividade lúdica, com a proposta de oferecer algo mais do que as tarefas cotidianas, levando alegria e descontração em um momento divertido e que também é terapêutico. Já é o segundo ano que fazemos esse trabalho. No ano passado deu tão certo que resolvemos dar continuidade, mas esse ano chamamos o pessoal do curso Música para agregar a atividade”, disse a professora e coordenadora Laís
 
A aluna do quinto período do curso de música, Josi Vilela, acredita que a música pode curar a dor de outra forma: “Através da música, nós podemos ter relatos até mesmo bíblico. O Rei Saul, ao ouvir Davi tocar sua harpa, sentia que através da música ele se livrava do espírito do mal. Essa prática já era tida como terapia. A nossa intenção é essa, trazer a alegria, paz e conforto através da melodia e da harmonia e quem sabe trazer até mesmo a cura”.
 
Muita emoção, sorrisos e lágrimas. Pacientes, familiares e até mesmo integrantes do projeto se sensibilizaram com essa proposta diferenciada. “Todo dia eles estão aqui para cuidar da gente, dando banho, fazendo curativo e hoje, vieram nos cuidar de uma forma diferente, oferecendo ânimo, paz e calma, como um processo de cura. Isso é melhor que qualquer remédio!”, disse Dona Maria Aparecida, de 83 anos.
 
Para o enfermeiro Rafael Viest, ex-aluno do UBM, formado na turma de 2011, essa prática tem efeitos comprovados: “A musicoterapia já era usada na II guerra mundial. Os músicos iam até os hospitais cantar para os pacientes e tratar a dor de uma forma mais abrangente. Aqui no CTI,  a resposta é imediata, nós temos pacientes gravíssimos e podemos perceber nitidamente a estabilidade dos pacientes, a pressão sanguínea, tudo acalma e tranquiliza.”  
 
Adriana Alves, médica, é a favor e uma grande incentivadora dessa ação: “O paciente que fica na Unidade de Terapia Intensiva é tirado brutalmente da sua vida rotineira. Quando se leva algum componente externo que mexe com o afetivo, traz para ele uma segurança, um conforto que remete ao paciente sensações familiares.”
 
A arte em forma de música e a música em forma de cura. Foi com muita gratidão que a proposta foi efetuada com sucesso. O encontro emocionou e comemorou a semana de um profissional tão dedicado. “A enfermagem é um cuidado com o outro, os procedimentos realizados vão além das técnicas, dos cuidados físicos com o paciente, enfermagem é uma relação de amor”, enfatizou Alidiana Bilac, aluna do 9º período de enfermagem.
 
Voltar